12.29.2010

PRONTIDÃO PARA OUVIR

PRONTIDÃO PARA OUVIR

"A natureza deu-nos dois ouvidos, dois olhos e uma língua, observa Zenão, velho filósofo grego, para que pudéssemos ouvir e ver mais do que falar". Até há bem pouco tempo dava-se pouca atenção à capacidade de ouvir. A ênfase exagerada dirigida à habilidade de expressão levou a maioria das pessoas a subestimar a importância da capacidade de ouvir, em suas capacidades diárias de comunicação.
Deveríamos olhar para cada pessoa como se a mesma tivesse um cartaz pendurado em redor do pescoço, onde se pudesse ler: "QUERO SENTIR-ME IMPORTANTE". Sim todos querem sentir-se importantes. Ninguém gosta de ser tratado como menos importante. E todos querem ainda que esta importância seja reconhecida em qualquer parte do mundo. A própria experiência nos ensina que as pessoas, ao serem tratadas como tais, sentem-se felizes e procuram realizar e produzir mais. E quem se observa escutado, sente-se gratificado.
Um levantamento recente indica que, em média, a pessoa emprega 9% do tempo a escrever, 16% do tempo a ler, 30% do tempo a falar e 45% do tempo a escutar.
Ouve-se 4 ou 5 vezes mais depressa do que se fala. As pessoas falam provavelmente à razão de 90 a 120 palavras por minuto e ouvem à razão de 400 a 600 palavras por segundo. Quer dizer, há um tempo diferencial entre a velocidade do pensamento para poder pensar, reflectir sobre o conteúdo e buscar o seu significado.
Autores há que oferecem diversos princípios para aprimorar as habilidades essenciais para saber ouvir.:
1- Procura ter um objectivo ao ouvir;
2- Suspende qualquer julgamento inicial;
3- Procura focalizar o interlocutor, resistindo a toda a espécie de distracções;
4- Espera antes de responder;
6- Procura recolocar com palavras próprias o conteúdo e o sentimento do interlocutor;
7- Procura atingir os pontos centrais do que ouve através das palavras;
8- Usa o tempo diferencial para pensar e responder.
Agora, ouve... Um ano 2011 violentamente sereno para ti.
Termino esta reflexão com o seguinte pensamento: "Quando não vivemos como PENSAMOS, acabamos por pensar como VIVEMOS; assim, um ladrão procura desculpas para os seus roubos".

Joaquim Carlos
(Jornalista)

Nenhum comentário:

Postar um comentário